143: Cidade japonesa cria adesivo com código QR para idosos com Alzheimer

Selo para colar na unha carrega identidade e informações para contacto

Adesivo é à prova d’água e se mantém colado por cerca de duas semanas – TOSHIFUMI KITAMURA / AFP

RIO — Um dos maiores problemas enfrentados por idosos com demência é o risco de se perderem. Por causa dos distúrbios na memória, não são raros os casos de pessoas que saem de casa e não conseguem mais voltar. Para contornar essa questão, uma cidade japonesa, nos arredores de Tóquio, está distribuindo pequenos adesivos com um código QR, com informações sobre esses pacientes.

O serviço foi desenvolvido na cidade de Iruma e lançado este mês, de forma gratuita. As pessoas consideradas sob risco de se perderem recebem pequenos adesivos com um código QR para serem colados em uma das unhas dos dedos da mão. Medindo apenas 1 centímetro quadrado, os adesivos carregam o endereço, o número de telefone de algum parente e um número de identificação único.

De acordo com o escritório de bem-estar social de Iruma, a iniciativa foi lançada para facilitar o reencontro de idosos com a família, caso eles se percam. O adesivo é à prova de água e fica colado por cerca de duas semanas.

Informações para contacto com a família podem ser acedidas com um smartphone – TOSHIFUMI KITAMURA / AFP

Com a tecnologia, policiais podem obter detalhes sobre a pessoas de forma simples, apenas escaneando o código QR com um smartphone. Por ficar colado em uma das unhas, o adesivo é discreto e está sempre com o idoso.

— Já existem identificadores para roupas e calçados, mas os pacientes com demência nem sempre estão vestindo esses itens — disse um oficial, à agência AFP.

O Globo
por O GLOBO
09/12/2016 9:56 / Actualizado 09/12/2016 11:47

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=33e5dab1_1481536923071]

102: Quatro meses de espera por uma consulta de psicologia

José Carlos Marques/Global Imagens
José Carlos Marques/Global Imagens
Falta de profissionais limita resposta. Ministério da Saúde vai reforçar agrupamentos de centros de saúde até final do ano

A falta de profissionais faz com que existam utentes a esperar quatro meses por uma primeira consulta de psicologia ou que consultas de seguimento sejam marcadas com um mês ou mais de intervalo no Serviço Nacional de Saúde (SNS), onde existem apenas 553 psicólogos, denuncia o bastonário da Ordem dos Psicólogos, Telmo Baptista, que considera serem necessário mais 1500. O Ministério da Saúde garantiu ao DN que está a ser implementado um plano para que até fim do ano todos os agrupamentos de centros de saúde (ACES) tenham pelo menos um psicólogo.

“Os recursos humanos disponíveis são muito poucos e não é possível dar resposta a tudo. Os tempos de espera para primeira consulta são grandes – de três e quatro meses em alguns centros de saúde – e noutros locais não há, porque não existem profissionais. As consultas de seguimento são marcadas com intervalos de um ou dois meses. Depressão, ansiedade, stress, consumos excessivos, problemas comportamentais nas crianças são tudo intervenções que precisam de continuidade para que possam ser eficazes”, afirmou Telmo Baptista, que salienta os sinais positivos do Ministério da Saúde de querer reforçar a área: “Já foi constituída a comissão que vai avaliar a distribuição e a necessidade de recursos humanos.”

Mulheres, idosos, crianças e jovens são alguns dos grupos de risco a situações de ansiedade e depressão. Dar resposta antes que a doença se instale seria o ideal. Mas não está a ser possível fazê-lo. “O que fazem na maioria é remediação. Há pouco tempo ou nenhum para actuar junto das pessoas que estão mais ou menos até que lhe acontece algo difícil e é nessa altura que precisam de ajuda para lidarem melhor com isso e não adoecerem”, diz Isabel Trindade, presidente da delegação regional do Sul da Ordem.

Questionado pelo DN o Ministério da Saúde revelou que até ao final do ano haverá mais psicólogos nos centros de saúde. “O ministério possui uma política activa no sentido de dotar os cuidados de saúde primários com psicólogos, por entender que trazem um valor acrescentado em termos de resposta. Nesse sentido está a ser implementado um plano de, até final deste ano, dotar todos os ACES [há 46] com pelo menos um psicólogo”.

Diário de Notícias
10 DE OUTUBRO DE 2016 | 00:51
Ana Maia

Psicólogos??? O que é isso? Uma nova marca de salsichas? Nunca tive nenhum (e bem precisava/preciso), não me foi recomendado nenhum, nem sei se o centro de saúde tem algum em stock…

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=bb85db1a_1488653982600]