308: 24.Dez.2018

Véspera de Natal. Já lá vão os anos em que passávamos em Família, com alegria. As filhas, as netas, a entrega dos brinquedos à meia-noite, depois da vinda do Pai Natal…

Natal de 2012

Hoje, tudo isso não passa de uma Saudade imensa, uma dor muito profunda, uma recordação que nunca se apagará. Com algumas dificuldades mas éramos felizes porque estávamos juntos.

Hoje, não por ser véspera de Natal, mas porque é às segundas-feiras que fazemos a nossa visita à tua campa, comprámos-te um lindo raminho de flores. As da semana passada estavam quase todas boas, apenas se tiraram uns ramos mais secos. E fiz-te um slideshow para ficar mais bonito.

Ah! E a campa, finalmente, foi arranjada com a adição de novo cascalho ou lá como chamam à cobertura por cima da terra. Mas mesmo assim, a Vera ainda teve de arrastar o cascalho para o fim da campa porque apenas estava coberta dois terços… O restante terço ou o cascalho não chegou ou nem se dignaram acabar o trabalho.

Logo à noite, enquanto uns confraternizam com a família e os amigos deles, eu e a Vera vamos comer uns lombos de bacalhau com grão (rão, como tu dizias em pequena), batatas e legumes. Vou fazer umas rabanadas e não apanho um pifo porque tenho de vigiar os níveis de glicémia da Vera.

Amanhã, será outro dia, igual aos 365/366 dias do ano e a vida continuará até que se apague a chama.