105: Descoberto um novo método promissor para prevenir Alzheimer

Rebecca-Lee (Flickr)
Rebecca-Lee (Flickr)
Investigação do Imperial College de Londres encontra-se nas primeiras etapas de investigação

Uma equipa de investigadores desenvolveu um método para prevenir o Alzheimer, mediante a injecção de um vírus que transmite um gene específico ao cérebro, segundo uma investigação realizada em ratos e cujos resultados foram hoje publicados.

A descoberta realizada por cientistas do Imperial College de Londres, liderados pela espanhola Madgalena Sastre, poderá abrir a porta para possíveis novos tratamentos da doença, apesar de ainda se encontrar nas suas primeiras etapas de investigação.

No estudo, os investigadores consideram que este gene, denominado PGC1-alpha, pode prevenir a formação da proteína amiloide-beta péptida em células no laboratório.

Esta proteína é a principal componente das placas amiloides, uma massa viscosa de proteínas que se encontra no cérebro das pessoas com Alzheimer e que se pensa que causa a morte de células cerebrais.

Esta descoberta pode favorecer novos olhares sobre como prevenir ou travar a doença nas suas primeiras etapas.

“Apesar de estas descobertas serem muito iniciais, sugerem que esta terapia de genes pode ter um potencial uso terapêutico para os pacientes. No entanto, há muitos obstáculos a superar, e actualmente a única forma de transmitir este gene é através da injecção directa no cérebro”, explicou Magdalena Sastre, autora principal do estudo, do Departamento de Medicina do Imperial College.

Os cientistas injectaram as cobaias com o vírus com o gene em duas áreas do cérebro onde pode desenvolver-se Alzheimer – o hipocampo, que controla a memória a curto prazo, e o córtex, que controla a memória a longo prazo, e que são as primeiras onde começam as placas amiloides.

Os animais foram tratados nos primeiros episódios de doença, quando ainda não têm estas placas, e quatro meses depois, constatou-se que os ratos que tinham recebido o gene tinham muito poucas destas placas, comparadas com o grupo de cobaias que não tinham recebido tratamento.

Além disso, não se registou perda de células cerebrais no hipocampo.

A investigadora acrescentou que outros estudos apontam que o exercício e o componente resveratrol, que se encontra no vinho tinto, pode aumentar os níveis do gene PGC-1, apesar de apenas ter benefícios em comprimidos, já que é desactivado no vinho devido à presença do álcool.

“No entanto estamos a anos de utilizar esta solução como tratamento clínico. Mas, numa doença urgente que exige novas opções para os pacientes, este trabalho oferece esperança para futuras terapias”, afirmou Sastre.

A investigação foi financiada pela Agência de Investigação de Alzheimer do Reino Unido e o Conselho de Investigação Europeu.

Apesar de existir tratamento para minorar alguns sintomas, o Alzheimer não tem cura e implica perda de memória, confusão e mudanças de personalidade.

Em todo o mundo mais de 47 milhões de pessoas sofrem de demência, da qual o Alzheimer é a forma mais comum.

Diário de Notícias
10 DE OUTUBRO DE 2016 | 22:57

logo_transp_200

18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade

1 semana ago cuidador cuidador
Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i…
Read More
1 semana ago18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…

1 semana ago cuidador cuidador
Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare…
Read More
1 semana agoPulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016

11.Mar.2016

2 semanas ago cuidador cuidador
Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu…
Read More
2 semanas ago11.Mar.2016
05.Mar.2017

05.Mar.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten…
Read More
3 semanas ago05.Mar.2017
25.Fev.2017

25.Fev.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da Tina. As flores de sábado passado ainda estavam boas mas, como semp…
Read More
4 semanas ago25.Fev.2017

[powr-hit-counter id=4b3f8205_1488653896993]

17: 23.Jun.2016

Hoje, venho transcrever uma notícia que me deixa feliz, não em ordem à Tina que já é um caso irrecuperável, mas a futuros doentes com esta terrível doença. Parabéns aos cientistas e que consigam travar a tempo o avanço da demência de Alzheimer para bem de muitos doentes no futuro.

Rodrigo Cunha investigador que coordena a equipa internacional | site da UC
Rodrigo Cunha investigador que coordena a equipa internacional | site da UC

Descoberto como eliminar primeiros sintomas de Alzheimer

Universidade de Coimbra anunciou a descoberta alcançada em modelos animais foi feita por uma equipa internacional liderada por um português

Uma equipa internacional coordenada pelo investigador português Rodrigo Cunha descobriu como eliminar os primeiros sintomas da doença de Alzheimer em modelos animais, anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

A descoberta foi possível porque “pela primeira vez os cientistas focaram o estudo na causa dos primeiros sintomas da doença”, que são as perturbações na memória, causadas por modificações da chamada “plasticidade das sinapses no hipocampo”.

“O hipocampo desempenha um papel essencial na memória, funcionando como o gestor do gigantesco centro de informação recebida pelo cérebro. Das dezenas de milhões de sinais recebidos, o hipocampo tem de seleccionar a informação relevante e validá-la, atribuindo-lhe uma espécie de ‘carimbo de qualidade’. Quando ocorrem falhas, este gestor assume que toda a informação é irrelevante”, segundo uma nota da UC.

Sendo as sinapses “as responsáveis pela transmissão de informação no sistema nervoso”, ao garantirem a comunicação entre neurónios, “a equipa utilizou um modelo animal duplo mutante (com a modificação de dois genes da proteína APP, que causam doença de Alzheimer em humanos) para rastrear toda a actividade destas ligações e identificar o que impede o hipocampo de processar e gerir correctamente” a informação obtida.

O estudo, entretanto publicado na revista científica “Nature Communications”, foi coordenado por Rodrigo Cunha, do Centro de Neurociências e Biologia Celular e da Faculdade de Medicina da UC, tendo a equipa integrado 15 investigadores portugueses e franceses.

Os resultados desta investigação representam “um avanço extraordinário para o desenvolvimento de estratégias de combate à doença de Alzheimer, pois conseguiu-se recuperar o funcionamento sináptico”, afirma Rodrigo Cunha, citado na nota.

O cientista de Coimbra entende que, “do ponto de vista ético, é criticável se não se prosseguir para ensaios” em humanos e garante que estes são seguros para os doentes.

Na sua opinião, existem em Coimbra “todas as condições para avançar”, embora seja necessário assegurar financiamento para o efeito.

Financiado pelo Prémio Mantero Belard de Neurociências da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e pela Association Nationale de Recherche de França, o estudo foi desenvolvido ao longo de três anos.

Diário de Notícias
22 DE JUNHO DE 2016
15:18
Lusa

0-assinatura

18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade

1 semana ago cuidador cuidador
Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i…
Read More
1 semana ago18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…

1 semana ago cuidador cuidador
Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare…
Read More
1 semana agoPulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016

11.Mar.2016

2 semanas ago cuidador cuidador
Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu…
Read More
2 semanas ago11.Mar.2016
05.Mar.2017

05.Mar.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten…
Read More
3 semanas ago05.Mar.2017
25.Fev.2017

25.Fev.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da Tina. As flores de sábado passado ainda estavam boas mas, como semp…
Read More
4 semanas ago25.Fev.2017

[powr-hit-counter id=cd7df0dc_1488657755918]