100: 07.Out.2016

Cuidadores informais de doentes vão ser compensados a partir de 2018

Os cuidadores informais de doentes vão ser, a partir de 2018, compensados com apoios que ainda não estão definidos, mas que poderão passar por regalias sociais, fiscais ou mesmo financeiras, anunciou o secretário de Estado de Saúde.

nm07102016

Manuel Delgado falava à agência Lusa no final da sessão de abertura da conferência que assinala o 60º aniversário da Unidade de Cuidados Domiciliários (UCD) do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa.

Segundo Manuel Delgado, este governo está a trabalhar para criar “condições de apoio extraordinário” a estes cuidadores informais que recompense a opção que tomaram de abdicar da sua vida profissional pela compaixão pelos seus.

“Numa sociedade em que a maior parte das pessoas trabalha, como podemos resolver o problema dos que querem acompanhar os seus, mas não o conseguem fazer sem prejudicar a sua vida profissional e até económica?”, questionou.

O secretário de Estado da Saúde adiantou que no Orçamento do Estado para 2018 já deverá estar contemplado esse apoio aos cuidadores informais, o qual está ainda a ser desenhado.

“A compensação ainda não está definida. Pode ser remuneratória ou na forma de regalias sociais e fiscais ou no emprego”, adiantou.

Manuel Delgado sublinhou que este tipo de cuidados, além de permitir a continuidade do apoio destes doentes por quem está mais próximo, alivia as instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O governante defendeu ainda que as mudanças na sociedade portuguesa obrigam a uma reelaboração do sistema de saúde, no qual os cuidados domiciliários deverão ter um papel cada vez maior e em áreas como situações agudas, que assim são tratadas sem internamento.

“Temos de ter os doentes sinalizados nos seus domicílios e estes serem o local de trabalho das equipas”, adiantou.

Notícias ao Minuto
07/10/2016
POR Lusa

0-lutotransp200Quando necessitei de ajuda, de apoio, fosse ele qual fosse, a resposta foi sempre: PAGA SE QUERES! Minha esposa faleceu não da doença de Alzheimer mas da incúria, incompetência, desleixo, desumanidade de quem a seguia medicamente e da COMPLETA FALTA DE APOIO das instituições agregadas ou não ao Serviço Nacional de “Saúde”. Morreu com FALÊNCIA RESPIRATÓRIA devido a CHOQUE SÉPTICO por falta dessa mesma assistência e por teimarem em não a quererem internar (médico de família e psiquiatra) mas quererem enviá-la para um Lar de Idosos a que eu sempre chamei de Depósito de Velhos. Os que beneficiarem, no futuro, deste apoio, não sabem por que passaram os que NUNCA tiveram qualquer apoio. Fotografias chocantes do estado a que minha esposa chegou já no final da sua existência:

06072016_03

06072016_02

06072016_04

06072016_05

Não é uma cama de hospital mas sim no domicílio já com sonda gástrica e algália instaladas.
Não é uma cama de hospital mas sim no domicílio já com sonda gástrica e algália instaladas. 3 dias depois falecia…

0-assinatura

25.Mar.2017

25.Mar.2017

4 dias ago cuidador cuidador
Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont…
Read More
4 dias ago25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade

2 semanas ago cuidador cuidador
Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i…
Read More
2 semanas ago18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…

2 semanas ago cuidador cuidador
Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare…
Read More
2 semanas agoPulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016

11.Mar.2016

3 semanas ago cuidador cuidador
Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu…
Read More
3 semanas ago11.Mar.2016
05.Mar.2017

05.Mar.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten…
Read More
3 semanas ago05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=0556943d_1488654061104]

62: 26.Ago,2016

0-lutotransp200Existe certo tipo de pessoas que afirmam nas redes sociais e em jornais online, a propósito de certas notícias, que têm nojo em serem Portugueses. Discordo completamente. Eu tenho muita honra em ser Português. Tenho é NOJO de ter políticos que (des)governaram Portugal depois do golpe de Estado do 25 de Abril’74 e que o levaram à ruína económica e social. Desses, é que eu tenho NOJO!

Ainda não recebi qualquer resposta ao meu pedido de transferência de médica de família, a mesma que “acompanhou” minha esposa até quase à véspera da sua morte, porque fui informado pelos serviços do Centro de Saúde, quando necessitei de uma consulta no princípio deste mês, que a médica estava doente e possivelmente durante este mês de Agosto não iria estar presente.

Hoje, vim a saber através de outros doentes que têm a mesma médica de família que a “doença” dela era GRAVIDEZ!

Bom, se a gravidez é doença (exclusivamente na classe médica porque nunca tinha ouvido falar nessa “doença”), compreende-se então porque razão a senhora deixou minha esposa definhar até à sua morte porque não era o trabalho de duas enfermeiras virem cá a casa 3 vezes por semana – e já nas últimas semanas de vida dela -, a fim de limparem as úlceras e colocarem novos pensos, com EXPOSIÇÃO ÓSSEA e cheiro fétido (relatório da urgência do hospital de S. Francisco Xavier) que ela própria constatou porque em duas vezes em que esteve cá em casa, que seria a via indicada para a situação decorrente mas sim o seu internamento hospitalar, não nessa altura, mas muito, muito antes conforme eu vinha a solicitar com insistência.

Minha esposa faleceu por ter entrado em falência respiratória devido a choque séptico provocado pela infecção das referidas úlceras. Será que uma médica não tem conhecimento disto?

06072016_03

06072016_04

06072016_05

1mesdesaudade

0-assinatura

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=0d3630ab_1488655459117]

54: 11.Ago.2016

0-lutotransp200Anteontem, recebi do Hospital de São Francisco Xavier, a meu pedido, cópia do Certificado de Óbito da Tina. Nesse certificado vem mencionado:

Causa da Morte:

Parte I
a) Choque Séptico
b) Úlcera de pressão região sagrada

Parte II
Úlcera na região sagrada com exposição óssea; asma brônquica, hipotiroidismo, HTA; arritmia

Causa da morte indicada com base em elementos de ordem clínica.

Para os interessados, pesquisei no Google, dado que não tenho presunção a conhecimentos de medicina e deparei-me com o seguinte:

Choque séptico: sintomas, tratamentos e causas

Visão Geral

O que é Choque séptico?

O choque séptico é uma condição grave que ocorre em decorrência da sepse e traz risco de vida. Ocorre quando um agente infeccioso, como bactérias, vírus ou fungo, entra na corrente sanguínea de uma pessoa. Essa infecção afecta todo o sistema imunológico, desencadeando uma reação em cadeia que pode provocar uma inflamação descontrolada no organismo. Esta resposta de todo o organismo à infecção produz mudanças de temperatura, da pressão arterial, frequência cardíaca, contagem de células brancas do sangue e respiração.

Causas

Choque séptico é geralmente causado por infecção bacteriana. Qualquer tipo de bactéria pode causar choque séptico. Fungos e vírus também podem causar essa condição, embora infecções virais sejam extremamente raras. As toxinas liberadas pelos agentes invasores podem causar danos nos tecidos e resultar em pressão arterial baixa e função reduzida dos órgãos. Alguns pesquisadores acreditam que os coágulos sanguíneos em pequenas artérias interrompem o fluxo sanguíneo e causam a redução da função dos órgãos.

O organismo também produz uma forte resposta inflamatória às toxinas. Essa inflamação pode contribuir para que ocorram danos nos órgãos.

Factores de risco

Os factores de risco para choque séptico incluem:

Idade: tanto pessoas muito jovens quanto pessoas muito idosas são mais propensas a ter choque séptico
Diabetes
Doenças do sistema geniturinário, sistema biliário e no sistema intestinal
Doenças que enfraquecem o sistema imunológico, como a Aids
Cateteres de longa permanência (aqueles que permanecem no lugar por longos períodos de tempo, especialmente linhas intravenosas, cateteres urinários e stents de plástico e metal usados para drenagem)
Leucemia
Uso prolongado de antibióticos
Linfoma
Infecção recente
Cirurgia ou procedimento médico recente
Uso recente de medicamentos esteroides.

Sintomas
Sintomas de Choque séptico

O choque séptico pode afectar qualquer parte do organismo, incluindo coração, cérebro, rins, fígado e intestinos. Os sintomas podem incluir:

Extremidades frias e pálidas
Temperatura alta ou muito baixa, tremores
Tontura leve
Pressão arterial baixa, especialmente quando de pé
Produção de urina reduzida ou ausente
Palpitações
Frequência cardíaca acelerada
Inquietação, agitação, letargia ou confusão
Falta de ar
Exantema cutâneo ou descoloração da pele

Convivendo (prognóstico)
Complicações possíveis

Entre as principais complicações decorrentes de choque séptico, estão:

Insuficiência respiratória
Insuficiência cardíaca
Falência de qualquer outro órgão do corpo.

Pode ocorrer gangrena, resultando possivelmente em amputação de um membro, principalmente pernas.

Expectativas

O choque séptico tem uma alta taxa de mortalidade. A taxa de mortalidade depende da idade do paciente e de suas condições gerais de saúde, da causa da infecção e de quantos órgãos apresentaram insuficiência, assim como da rapidez e agressividade com as quais o tratamento médico foi iniciado.

In Minha Vida

Úlcera de Pressão Região Sagrada

Do mesmo modo, pesquisei esta área e fui dar a um documento que pode ler NA ÍNTEGRA AQUI, com origem na Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados

0 – Introdução
O aparecimento de uma Úlcera de Pressão é, quase sempre, consequência do incumprimento de boas práticas nos cuidados prestados a doentes sujeitos a longos períodos de imobilidade. A sua prevenção e tratamento requerem uma equipa multidisciplinar composta por enfermeiros, médicos, nutricionistas, assistentes sociais e fisioterapeutas. O risco de desenvolvimento de úlceras de pressão aumenta consideravelmente quando se combinam os seguintes factores:
ƒ
  • Imobilidade
  • Compromisso do sistema imunitário
  • Perda de massa muscular
A manutenção da integridade cutânea, intervindo nos factores que a condicionam, é determinante para a qualidade de cuidados prestados. A circular informativa da Direcção Geral da Saúde de 23-06-98 refere que “ o aparecimento de Úlceras de Pressão, associado ou não a outros factores, é um indicador da qualidade dos  cuidados prestados pela equipe de saúde”.
As presentes recomendações pretendem alertar para os meios de prevenção. Os diagnóstico e tratamento adequados deverão obedecer a normas e protocolos consensualizados, que oportunamente serão divulgados.

1 – Definição de Úlceras de Pressão

As Úlceras de Pressão são áreas da superfície corporal localizadas que sofreram exposição prolongada a pressões elevadas, fricção ou estiramento, de modo a impedir a circulação local, com consequente destruição e/ou necrose tecidular. A classificação da ferida é particularmente importante quando a lesão do tecido é
observada pela primeira vez, uma vez que será a referência para avaliação da sua evolução.

Há vários métodos de classificação das Úlceras de Pressão, sendo o mais comum aquele que atribui graus ás estruturas e tecidos lesados.

Grau I

– Presença de eritema cutâneo que não desaparece ao fim de 15 min de alívio da pressão. Apesar da integridade cutânea, já não está presente resposta capilar.

Grau II
– A derme, epiderme ou ambas estão destruídas. Podem observar-se flictenas e escoriações.

Grau III
– Ausência da pele, com lesão ou necrose do tecido subcutâneo, sem atingir a fascia muscular.

Grau IV
– Ausência total da pele com necrose do tecido subcutâneo ou lesão do músculo, osso ou estruturas de suporte (tendão, cápsula articular, etc.)

Nos graus III e IV podem apresentar-se lesões com trajectos sinuosos. Para  proceder a uma classificação correcta das úlceras deve primeiro, ser retirado o
tecido necrosado.

2 – Etiologia das Úlceras

A sucessão de acontecimentos que levam ao aparecimento de uma Úlcera de pressão são:

Pressão – Hipoxia e isquemia tecidular

– Necrose das células – Ulceração.

2.1 Pressão

A aplicação directa de pressão superior à pressão de encerramento dos capilares (16-33 mm Hg ), sobre a pele e tecidos moles vai provocar hipoxia em toda a região abrangida e, se a pressão se mantiver, anóxia tecidular. Um doente debilitado, com zonas cutâneas sujeitas a uma pressão de 20 mm Hg por um período superior a 2 horas, pode desencadear nelas uma situação de isquémia grave.

A pressão e o tempo a que os tecidos a ela estão sujeitos são factores determinantes no aparecimento de lesões. As proeminências ósseas, ao aumentarem a pressão directa contra os tecidos moles, são local preferencial
para o aparecimento das lesões.

As feridas assim provocadas têm uma extensão maior perto da proeminência óssea e menor à superfície, tomando a característica forma de cone invertido. A ulceração inicia-se junto ao osso e progride até à superfície, no sentido da  aplicação da pressão.

Quando a pressão é aplicada longitudinalmente, surge uma úlcera de pressão com características diferentes. A extensão é maior à superfície e menor em profundidade. Na etiologia das úlceras de pressão temos ainda que considerar factores de risco intrínsecos e extrínsecos

2.2 Factores intrínsecos

Os factores intrínsecos podem ser:

Vasculares: incluem alterações como arteriopatias obliterantes, insuficiência venosa periférica e microarteriopatia diabética. Em todos os casos a oxigenação dos tecidos a nível local ou geral está comprometida, devido à redução da pressão capilar por interrupção ou inversão do fluxo sanguíneo.

Neurológicos: alterações da sensibilidade, da motricidade e do estado de consciência, podem induzir situações de imobilidade ou agitação, que favorecem as forças de pressão e/ou de fricção.

Tópicos: a diminuição da elasticidade da pele, a perda de gordura sub-cutânea e a
atrofia muscular, levam ao aparecimento de proeminências ósseas mais salientes, facilitadoras do aparecimento de úlceras de pressão, sobretudo em pessoas idosas

Gerais: neoplasias, febre, infecções, desnutrição, fármacos (córticosteroides, analgésicos e sedativos) que possam diminuir a sensibilidade.

2. 3 Factores extrínsecos

São as forças físicas que actuam a nível local, como compressão prolongada, fricção e estiramento.

3 – Prevenção das Úlceras de pressão
Qualquer atitude ou programa de prevenção deve iniciar-se pela informação e educação, pelo que os cuidadores, incluindo os informais, assim como o doente devem estar esclarecidos acerca da correlação directa entre a ocorrência das úlceras e a qualidade dos cuidados prestados.
A manutenção da integridade cutânea e a ausência de lesões reflecte mais o trabalho da equipa de cuidadores do que o estado geral do doente.
São de considerar:
3.1 Áreas de risco
A localização das úlceras está associada às proeminências ósseas do esqueleto  humano e à atitude postural do doente. São áreas preferenciais para o seu aparecimento:
ƒ
  • região sacro coccígea
  • ƒregião trocanteriana / crista ilíaca
  • ƒregião isquiática
  • ƒregião escapular
  • ƒregião occipital
  • ƒcotovelos
  • ƒcalcâneos
  • ƒregião maleolar
Áreas de risco relacionadas com posições:
Em decúbito lateral:
ƒ
  • maléolo externo
  • ƒtrocânter
  • caixa torácica, na região das costelas
  • ƒacrómio
  • ƒpavilhão auricular
  • ƒface externa dos joelhos
Em decúbito dorsal:
ƒ
  • calcâneos
  • ƒregião sacro coccígea
  • ƒcotovelos
  • ƒregião occipital
  • ƒomoplatas
Em posição de Fowler:
ƒ
  • região sagrada
  • ƒregião isquiática
  • ƒcalcâneos
3.2 Medidas de conforto, higiene e hidratação cutânea
A pele deve ser observada diariamente e sujeita a cuidados:
ƒ
  • manter a pele seca (e limpa);
  • ƒlavar com água morna e sem esfregar/causar fricção;
  • secar a pele, sem friccionar e utilizar toalhas ou outros tecidos suaves e lisos;
  • não utilizar álcool;
  • usar sabões não irritantes e hidratantes;
  • massajar com cremes hidratantes;
  • não massajar sobre as proeminências ósseas ou zonas ruborizadas (os capilares já estão afectados);
  • quando presentes situações de incontinência, a zona afectada deve ser limpa e seca o mais rapidamente possível;
  • usar meios de protecção que não danifiquem ou irritem a pele.
3.3 Medidas de alívio de pressão
3.3.1 Meios materiais
Existem vários materiais e dispositivos que podem ser utilizados na prevenção de úlceras de pressão. Muitos deles também têm o seu uso no tratamento das mesmas. Entre os materiais existentes, são de referir:
Colchões:
ƒ
  • colchão de água
  • ƒcolchão de sílica
  • ƒcolchão de silicone
  • ƒcolchão hidro-aéreo
  • ƒcolchão de pressão alternada.
A escolha do colchão deverá considerar a relação custo/benefício, tendo presente que todos eles podem ser eficazes, mas que a alternância de decúbitos do doente é obrigatória, seja qual for o colchão usado.
Roupa:
ƒ
  • lençóis moldáveis, sem bordas, lisos
  • ƒroupa de tecidos naturais
  • ƒtêxteis de lã de carneiro (“meias”, resguardos)
Suportes:
ƒ
  • almofadas
  • ƒalmofadas e dispositivos especiais para suporte dos pés e cotovelos
  • ƒ“sogras” (com uso limitado)
Pensos protectores:
ƒ
  • placas hidrocolóides
  • ƒdermoprotectores de gel
  • ƒpelículas especiais
Basicamente, na prevenção, a característica mais importante dos materiais utilizados é aliviar e/ou diluir a pressão no corpo, sem causar fricção, estiramento ou “pontos quentes”.
3.3.2 Recursos humanos.
Nunca é demais repetir que a mobilização e alternância de decúbitos do doente são fundamentais para a prevenção das úlceras de pressão. Para tal são fundamentais os recursos humanos, quer em número, quer em competências.
Neste sentido, existem regras e protocolos que estabelecem qual o número mínimo de elementos que deverão estar presentes numa determinada situação e perante patologias determinadas.
Por exemplo, quando se estabelece um protocolo de posicionamento é necessário garantir os elementos necessários ao seu cumprimento, de acordo com recomendações comunitárias, que visam estabelecer critérios de segurança no  trabalho. Está implícito que todos os intervenientes conhecem quais as atitudes a ter na mobilização dos doentes.
Assim:
ƒ
  • Pesos (doentes) até 25 kg podem ser manipulados por uma pessoa.
  • ƒPesos (doentes) entre 25 e 50 kg devem de ser manipulados por duas pessoas.
  • ƒPesos (doentes) de mais de 50 kg devem de ser manipulados por 3 pessoas (mínimo) ou com ajuda mecânica, ou ambas.
O respeito por estas recomendações garante não só a protecção dos prestadores como e sobretudo, a correcção de execução das manobras necessárias ao correcto posicionamento.
3.3.3 Técnicas de alívio de pressão
Para além dos meios descritos anteriormente, existe um conjunto de técnicas que contribuem para a prevenção de úlceras de pressão e que se baseiam nas operações de posicionamento dos doentes.
Técnicas de posicionamento dos doentes:
ƒ
  • evitar arrastar o doente –levantar!
  • ƒdistribuir o peso do doente no colchão, evitando zonas de pressão.
  • ƒcolocar o doente em posições “naturais”. (respeitando o alinhamento corporal).
  • ƒnão elevar a parte superior da cama mais que 30-35º quando o doente estiver em posição lateral, de modo a evitar pressão de deslizamento.
o tempo que um doente pode permanecer em qualquer posição, depende dos meios e materiais usados, posição e estado geral. O tempo médio considerado para reposicionar doentes é com intervalos de 3-4 horas. Isto permite que a pele “descanse” após o posicionamento anterior e evita mobiliza-los demasiado , com fricção desnecessária.
3.4 Alimentação
3.4.1 – Necessidades de nutrientes na prevenção de úlceras de pressão
Indivíduos portadores de doença ou deficiência ou em situação de acamados precisam de uma alimentação adequada, com valor energético acima do basal.
O aporte dos nutrientes necessários deverá ser, tanto quanto possível, garantido através de produtos naturais e uma alimentação com confecção e apresentação “normais”, devendo o recurso a produtos farmacêuticos (suplementos alimentares) ser restrito aos casos em que existe indicação estrita para tal.
A título de exemplo, recorda-se que:
ƒ
  • As Proteínas são fundamentais para a regeneração tecidular e estimulam a função imunitária.
  •  ƒA Arginina aumenta a irrigação na área da ferida e facilita a regeneração do tecido.
  •  ƒAs vitaminas, principalmente a Vitamina C, ajudam na anulação dos radicais livres obtendo-se uma melhor síntese de colagéneos.
  •  ƒO Zinco facilita a mitose, com consequente aceleração do processo cicatricial.

In ACSS – Ministério da Saúde de Portugal

COMENTÁRIO FINAL: Resumindo e depois de ler estes textos, não é necessário ter-se um canudo em medicina para, depois do que passámos nestes últimos três anos, concluir que a Tina NÃO TEVE A ASSISTÊNCIA QUE LHE SERIA DEVIDA em ordem à sua doença, e MUITO MENOS OS CUIDADOS QUE ESTES MESMOS DOCUMENTOS INDICAM como sendo normas a seguir.

Negligência? Incúria? Desleixo? Incompetência?

Descansa em Paz querida. Espero que o teu sofrimento, causado por inadequados, insuficientes e inexistentes meios de CUIDADOS a que todo o SER HUMANO tem direito e NÃO FORAM UTILIZADOS EM TI, tenha finalmente terminado.

Não termino este post sem antes reproduzir, novamente, as úlceras de pressão que a Tina vinha apresentando, primeiro tratadas duas vezes por semana, depois três vezes por semana, com o conhecimento da médica de família que, por duas vezes, assistiu a esses tratamentos pelas enfermeiras do CENTRO DE SAÚDE, já nos últimos dias de vida.

06072016_0506072016_04

06072016_0306072016_02

01072016_01Deixa-se chegar um SER HUMANO a este estado de degradação total?

IMG_9965
A cama (com os colchões) em que a Tina passou os seus últimos dias de vida

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=68ced775_1488655760071]

46: 25.Jul.2016

0-lutotransp200Ao ponto a que chegou o Serviço Nacional de “Saúde” que até cobra taxas “moderadoras” a pensos de feridas infectadas. Deve ser para “moderar” as feridas infectadas e elas não proliferarem tanto como aconteceu com a Tina…

Fui hoje ao Centro de Saúde (USF St. Condestável) para uma consulta dado que apareceu-me uma irritação na pele e fui confrontado com um valor a pagar de DEZ EUROS, descontados 4 euros de dedução conforme circular da ACSS, relativos a PENSOS A LESÃO COM INFECÇÃO.

06072016_05

06072016_04
06072016_03
06072016_02
TaxasModeradorasFeridas

Mantendo o que sempre afirmei desde o início do agravamento do estado geral da Tina, que NENHUM MÉDICO que a assistiu (dois médicos de família e dois psiquiatras), a quiseram internar a fim de evitar que ela chegasse ao lastimável e escandaloso estado a que chegou. Nem a um animal selvagem se trata desta maneira!

0-assinatura

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=192bd990_1488656013680]

39: 17.Jul.2016

Penso que estou a escrever um dos últimos capítulos da vida da Tina pois só um milagre poderá dar continuidade à sua vida.

Hoje, pela hora do almoço, demos a medicação à Tina, bem como o almoço, uma sopa de legumes mas que, apesar de muito triturada, devia ter uma folhinha de legume muito pequena que entupiu a sonda gástrica e nós não reparámos nisso.

Telefonámos ao INEM para relatar a situação e eles disseram que iriam mandar a ambulância e depois logo se via o que fazer.

Depois de verificada a situação pelos técnicos do INEM, informaram que tinham de levar a Tina para o hospital para trocarem a sonda.

Fomos para S. Francisco Xavier de seguida e estivemos à espera até às 20:30 horas para saber o resultado das análises, raios x e outros exames que entretanto lhe fizeram. Foi-nos então comunicado pelo médico que a Tina encontrava-se em falência respiratória e o seu tempo de vida estava em contagem decrescente.

Viemos para casa e estamos à espera do desfecho e da comunicação do hospital.

17.Jul.2016 – 21:52

0-assinatura

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=ec822997_1488656359843]

38: 16.Jul.2016

A noite passada foi calma, o dia de hoje também dado já não existir a preocupação de a Tina não querer comer assim como a toma dos medicamentos que estão todos a ser feitos via sonda gástrica.

Fica o vídeo do jantar de hoje, uma sopa de legumes que a Vera trouxe do Jumbo. O almoço foi uma sopa de Macedónia de Ervilhas que fiz no robot.

A Tina está com uma ponta de febre devido à infecção urinária mas está a tomar o antibiótico (Cefuroxima 500mg) e o Paracetamol 1g, ambos de 8 em 8 horas.

0-assinatura

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=bcb4fc39_1488656389365]

29: 06.Jul.2016

Hoje, a noite foi tranquila, a Vera também acordou bem e a enfermeira chegou às 10:30 horas para o tratamento e mudança de pensos.

Com ela, veio uma nutricionista que realizou um inquérito sobre as variantes alimentares da Tina, além de outras questões sobre orçamento familiar, dificuldades e afins.

Ficam aqui imagens ao vivo e a cores (atenção a pessoas sensíveis) do estado em que se encontram as úlceras.

06072016_01
06072016_02
06072016_03
06072016_04
06072016_05

0-assinatura

25.Mar.2017
cuidador cuidador 4 dias ago

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ont… Read More

25.Mar.2017
18.Mar.2017 - 8 meses de eterna saudade
cuidador cuidador 2 semanas ago

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável. Logo, i… Read More

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade
Pulseiras "Estou Aqui Adultos!" a partir do dia 20 de Março
cuidador cuidador 2 semanas ago

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiare… Read More

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20…
11.Mar.2016
cuidador cuidador 3 semanas ago

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu… Read More

11.Mar.2016
05.Mar.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados. Ten… Read More

05.Mar.2017

[powr-hit-counter id=6dec653a_1488656703499]