179: 13.Abr.2017

Depois de tantos anos de constante desgaste psicológico, como cuidador de minha esposa, sem qualquer tipo de ajuda exterior a não ser nos últimos dias de vida dela, a “sorte” bateu-me à porta, tendo-me sido diagnosticado diabetes Mellitus (tipo 2).

Um pouco de conhecimento não faz mal a ninguém e, sem qualquer tipo de pretensão pessoal, fui à Wikipédia (porque não tenho nenhum curso de medicina) e obtive esta informação que penso estar correcta:

Diabetes mellitus tipo 2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A diabetes mellitus tipo 2 – anteriormente designada por diabetes mellitus não-insulino-dependente ou diabetes tardia – é um distúrbio metabólico caracterizado pelo elevado nível de glicose no sangue no âmbito da resistência à insulina e pela insuficiência relativa de insulina.[2] Distingue-se da diabetes mellitus tipo 1, na qual se verifica a deficiência completa de insulina devido à destruição dos ilhéus de Langerhans no pâncreas.[3] Os sintomas clássicos são a sede excessiva, a micção frequente e a fome constante. A diabetes do tipo 2 corresponde a cerca de 90% dos casos de diabetes, correspondendo os restantes 10% à diabetes mellitus do tipo 1 e à diabetes gestacional. Pensa-se que seja a obesidade a principal causa da diabetes de tipo 2 em indivíduos geneticamente predispostos.

O tratamento inicial da diabetes de tipo 2 é feito através de exercício físico e alterações na dieta, mas o bypass cirúrgico demonstrou melhores resultados do que outros métodos de perda de peso[4]. Se estas medidas não diminuírem o nível de glicose no sangue, pode ser necessário recorrer à administração de medicamentos, como a metformina ou a insulina. Em indivíduos dependentes de insulina, torna-se normalmente necessária a realização de exames de rotina aos níveis de glicose no sangue.

A incidência da diabetes tem subido de forma significativa nos últimos 50 anos, em paralelo com a obesidade. No ano de 2010 existiam cerca de 285 milhões de pessoas afectadas pela doença, muito mais do que os 30 milhões de casos registados em 1985. Entre as possíveis complicações a longo prazo de níveis elevados de glicose no sangue estão as doenças cardiovasculares, os acidentes vasculares cerebrais, a lesão da retina provocada pela retinopatia diabética, a insuficiência renal e a necessidade de diálise e a má circulação sanguínea nos membros, o que pode levar à sua amputação. A complicação com cetoacidose é rara, já que se trata de uma característica da diabetes do tipo 1.[5] No entanto, pode ocorrer um coma hiperosmolar não cetótico.

Estou a reformular, com 71 anos de idade, todo o meu modo de vida, desde a alimentação, ao exercício físico, utilizando disciplinas que pratiquei quando estava na casa dos 30/40 anos – meditação Zen, especialmente -, e tive de investir numa bicicleta estática para completar os meus exercícios diários, além de ter de iniciar a ingestão de comprimidos de metformina uma vez ao dia durante duas semanas e depois duas vezes ao dia, receitado pelo endócrinologista que assiste minha filha desde há 17 anos (ela tem diabetes tipo 1).

Aproveitei uma baixa de preços (€ 100,00) e mandei vir (chegou hoje) uma:

Bicicleta Estática Rhona Program ION Fitness

Por este motivo, a minha mudança do Blogue que tinha – e continuo a ter -, A Cozinha do Avô Chico (http://inforgom.pt/recipes/) e passei a um novo Blogue de Receitas Especiais (http://apokalypsus.com/receitasespeciais/) que já começa a introduzir, progressivamente, outros tipos de receitas.

Esta progressividade na alimentação será um pouco morosa – não se pode, nem se deve, passar instantânea ou rapidamente de um regime alimentar normal para um outro especial, porque isso, mesmo em pessoas normais, pode causar graves problemas de saúde -, e tenderá a normalizar daqui a 3/4 meses num regime macrobiótico misto, regime este que pratiquei durante alguns anos atrás.

Também no meu Blogue Portal da Saúde (http://inforgom.pt/portalsaude) que tem andado um pouco “esquecido”, começará agora a ser introduzida informação sobre a área dedicada aos diabéticos. Quem estiver interessado, poderá visitá-lo.

Quanto à bicicleta estática e para os interessados:

Características

  • Desenhada para utilização doméstica regular
  •  Para treinos de entre 3 e 7 horas por semana.
  • Sistema de inercia de 7 Kg
    Garante um movimento continuado, extremamente suave e sem sensação de salto.
  • Sistema de travão magnético
    Proporciona um leque vasto de tensões. Sem ruído e uma resistência para a vida.
  • Sistema de medição da pulsação por contacto na pega
  • Fornece metas para treino avançado.
    Pedais do acesso fácil
  • Com correia para maior segurança e eficácia durante o exercicio.
    Ajuste do selim horizontal
    Ajuda cada utilizador a encontrar a posição correcta de pedalar.

    • Guiador de triatlo
      Mais confortável e intensivo durante o uso.
    • Fácil acceso
      Permite um acesso fácil para realizar o exercício.
    • Rodas de transporte
      Para deslocar a máquina com facilidade.
  • Monitor e Programas
  • Ecrã electrónico LCD de fácil leitura
    • Proporciona informação do tempo, velocidade, distância, calorias consumidas, RPM, Watios e pulso da sessão de exercício.
    • 12 programas pré-definidos
      Permitem a creiação de retos e superar-se em cada treino.
    • 4 Perfis personalizáveis (uPrg)
      Permite ao utilizador desenhar o seu programa pessoal.
    • 1 programa manual
      Permite ao utilizador desfrutar de um treino livre, podendo escolher, tempo, distância ou as calorias para treinar ao seu próprio ritmo.
    • 1 programa de watts constantes
      Especialmente desenhado para reabilitação.
    • 4 Programas de controlo do ritmo cardíaco (HRC)
      Permite atingir níveis cardiovasculares durante o treino. Controla automaticamente a intensidade do treino para manter o esforço a limites de pulsação diferentes.
    •  Test de controlo da gordura corporal (BF)
      Controla a percentagem de gordura corporal.

Especificações

  • Peso máximo do utilizador: 120 kg
  • Peso do sistema inercial: 7 kg
  • Dimensões: 92 x 50 x 134 cm
  • Peso: 25 kg

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=dcb1a6a6_1492095925473]

167: 21.Fev.2017

Na qualidade de cuidador de minha filha Vera, diabética insulina-dependente há 16 anos e com graves crises de coma hipoglicémico, venho alertar para um equipamento que se encontra à venda apenas online, não distribuído pelas farmácias, nem comparticipado pelo Estado português.

Refiro-me ao FreeStyle Libre dos laboratórios Abbott.

Este equipamento supostamente substituiria as tradicionais palhetas e o sempre indesejável pica no dedo para extrair uma gota de sangue que será recolhido pela palheta inserida no medidor e que dará o valor de glicémia na altura.

Não existe dúvida quanto à praticabilidade deste sistema, bastando passar com o equipamento pelo sensor (que se encontra inserido no braço) e obterá uma leitura dos valores glicémicos, tendo depois acesso, via aplicação própria e através de uma ligação ao PC, do histórico das medições diárias em gráfico.

Mas o problema – e existe sempre um senão -, são de ordem económica e fiabilidade das leituras. Concluí hoje um teste que me deu a resposta que desde o início me intrigava, ou seja, fui informado pela Abbott, em contacto telefónico efectuado, que o equipamento apenas fazia leituras de valores acima dos 40.

Logo aqui, existe uma limitação que, no caso da minha filha e possivelmente no de muitos outros diabéticos, existem leituras abaixo desses valores, sendo que podem ir dos 20 aos 40, valor a partir da qual o FreeStyle Libre começa a informar valores e, abaixo disso (40) apenas menciona LO (baixo).

Ora, a mim não me interessa absolutamente nada a informação de LO porque necessito concretamente de saber quais os valores reais que minha filha apresenta dado que, em algumas vezes, tenho de chamar o INEM ao domicílio para lhe ser injectada glucose na veia e a primeira coisa que eles pedem são os valores e não lhes vou dizer LO, quando ela está inconsciente e sem poder recuperá-la pelas formas tradicionais da papa de açúcar na bochecha ou até inserir-lhe na boca uma ampola de 20 ml de Glucose a 30%, solução esta injectável via intravenosa mas que também pode ser administrada oralmente.

Para exemplo desta situação, apresento de seguida um quadro dos últimos dias de medições:

Dia 01.02.2017: leitura FreeStyle Libre=LO; leitura palhetas=40 (devia acusar)
Dia 04.02.2017: leitura FreeStyle Libre=LO; leitura palhetas=32
Dia 08.02.2017: leitura FreeStyle Libre=LO; leitura palhetas=38
Dia 13.02.2017: leitura FreeStyle Libre=LO; leitura palhetas=43 (acima de 40)
Dia 21.02.2017 (04:30 horas): leitura FreeStyle Libre=LO; leitura palhetas=50 (acima de 40)
Dia 21.02.2017 (06:40 horas): leitura FreeStyle Libre=423; leitura palhetas=368

Neste caso, por três vezes neste mês, o equipamento FreeStyle Libre não acusou valores acima dos 40 e sendo este um instrumento electrónico, não posso admitir que exista inexactidão neste tipo de leituras. De notar que hoje, na segunda medição e quando minha filha se levantou, o FreeStyle Libre marcava 423 e logo de imediato com o pica no dedo, o equipamento das palhetas indicava 368.

A segunda questão reside na aquisição dos sensores que apenas duram para 14 dias cada um e custam, portes incluídos, € 65,85, ou seja, a cada 28 dias o desembolso é de € 131,70 que não estará ao alcance de muitos orçamentos familiares mais reduzidos.

Seria excelente se:

01.- Este equipamento tivesse uma precisão electrónica mais fiável e com leituras abaixo dos 40 (que nem sempre são);
02.- Fosse mais económico ou comparticipado pelo Estado como é a insulina e outros produtos para diabéticos;
03.- Estivesse distribuído pelas farmácias porque quem não tem Net e/ou cartão de crédito (únicas formas de encomendar), não poderá efectuar a encomenda (utilizo o MbNet que é um cartão de crédito independente ligado à conta bancária e que é requisitado na hora e válido apenas para essa compra).

Aqui fica o aviso para quem for diabético e desconheça estes pormenores que são valiosos na hora de pretender adquirir o equipamento (custo inicial – leitor e sensor = € 169,90 (+ portes de envio).

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=58ad08e0_1487693038529]

155: 06.Jan.2017

Conforme post inserido neste Blogue (15.Dez.2016), o aparelho que a Vera trouxe do hospital para medição de glicose sem picar dedos, revelou-se muito pouco operacional para o efeito que deveria ter neste tipo de medições, ou seja, o valor mais baixo que ele apresenta, numericamente, é 40 e a partir daí para baixo, apresenta a indicação LO.

Ora, a Vera tem tendência para valores baixos, nomeadamente entre 20 e 39. Sendo assim, entre os 20 e os 40 não tenho qualquer indicação real de qual o valor que ela tem na altura da medição e isto chamou-me a atenção porque anteontem de madrugada estava com 31 (medido pelo sistema clássico de picada no dedo) e o FreeStyle Libre apresentava LO.

Dado o custo não só do equipamento (€ 59,90, com uma vida útil média de 3 anos de utilização normal), como dos sensores (discos – cada € 59,90 que duram apenas 14 dias), penso que o investimento não compensa a praticabilidade de evitar a picada no dedo e, por isso, contactei os Laboratórios Abbott registando a minha insatisfação por este equipamento, apesar de sofisticado dada a sua tecnologia, ser limitado nas leituras de glicose abaixo dos 40.

Fui então informado que este equipamento NÃO SUBSTITUÍA o leitor clássico de palhetas/picada no dedo e que, sempre e em caso de dúvida, o sistema clássico deveria ser utilizado. Cada um que tire as devidas conclusões sobre esta resposta.

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=031bf843_1483702626830]

145: 14.Dez.2016

Cheguei a um período da minha vida em que me estou completamente BORRIFANDO para o que pensem ou bolsem sobre a minha pessoa e a meu respeito. Hoje, e dando sequência ao que afirmei antes, tenho uma novela melhor que as que passam nas retretes das estações de TV tugas.

A minha filha Vera encontra-se internada num hospital (público, porque privado é para os ricos) desde segunda-feira passada. Entretanto e por via de encontrar-se desempregada por força de DESPEDIMENTO COLECTIVO, está inscrita no Instituto do Emprego e Formação Profissional, IP, estando, por consequência, OBRIGADA a comparecer a todas as convocatórias que eles façam.

Até aqui, nada a apontar a não ser que aos CUMPRIDORES andam em cima deles com uma fiscalização absurda que nem no tempo do fascismo salazarista existia (e eu sou e vivi esse tempo), aos outros, os que recebem RSI e outros abonos, subvenções, etc., deixam-nos à solta, sem qualquer problema.

Ora, a trágico-novela que hoje vou contar, tem tanto de absurda como de inconcebível-hilariante-demagógica. Vou começar então a primeira e única parte e/ou capítulo, como a queiram apelidar.

Recebi hoje, dia 14 de Dezembro, no meu domicílio, uma carta do IEFP, IP, com data de 10 de Dezembro (sábado), por correio azul, cujo desenvolvimento passo a inserir já de seguida um e-mail que iria ser enviado ao serviço de emprego das Picoas (origem desta carta) e serviço de emprego de Benfica (entidade a que a minha filha pertence). E este e-mail não foi enviado, está em suspenso, pelos motivos que no final esclarecerei:

De: F Gomes
Para se.picoas@iefp.pt; se.benfica@iefp.pt
Data: 14 de Dezembro de 2016 (envio suspenso)

ASSUNTO: INFORMAÇÃO

Boa tarde

Em nome de minha filha Vera Gomes, utente nº. xxxxxxxx, beneficiária nº. xxxxxxxxxxxxx, informo:

01.-. Foi recebida hoje, dia 14 de Dezembro de 2016 uma carta por CORREIO AZUL, desse serviço, com data de 10 de Dezembro de 2016 (sábado), para minha filha se apresentar amanhã, dia 15 de Dezembro de 2016, pelas 10:30 horas, na Avenida 5 de Outubro, 24, Lisboa, a fim de verificar as suas condições para possível integração em Contrato Emprego-Inserção;

02.- Minha filha, Vera Maria Chadeca Gomes, supra referenciada, deu entrada no Hospital de Egas Moniz na passada segunda-feira, dia 12 de Dezembro de 2016, encontrando-se internada desde essa data e sem data previsível de alta médica dado que é uma doente diabética insulina-dependente desde há DEZASSEIS ANOS, por isso, pedi a ela que solicitasse na Secretaria da Unidade Hospitalar uma DECLARAÇÃO em como ela estava INTERNADA desde segunda-feira passada;

03.- Através do vosso contacto telefónico 21 580 21 00, fui informado pelo funcionário que me atendeu depois de 30 minutos de tentativas de chamada, que a declaração que o Hospital iria passar NÃO ERA VÁLIDA COMO JUSTIFICAÇÃO e que teria de ser a médica de família a passar a baixa médica, sendo esse documento o único válido para justificar a não comparência da beneficiária;

04.- Sendo o Hospital de Egas Moniz, um HOSPITAL PÚBLICO, como pode uma declaração emitida por essa Unidade, ser interpretada como NÃO VÁLIDA para fins justificativos de falta de comparência às vossas convocações? E mais, o mesmo funcionário informou que teria de ser a médica de família a passar a baixa médica para esse documento ser justificativo da falta de comparência. Ora, como pode a minha filha deslocar-se ao Centro de Saúde pedir a baixa médica se está INTERNADA? O mesmo funcionário esclareceu que podia ser eu a deslocar-me ao CS em nome da minha filha e pedir à médica essa baixa. Ou seja, NÃO CONFIAM num documento emitido por um Hospital Público, mas confiam que a médica vai confiar no que o pai da internada diz…

05.- Nesta conformidade e como apenas amanhã, dia 15 de Dezembro de 2016 poderei ter em minha posse os documentos justificativos – a minha filha vai tentar ainda hoje encontrar o médico que a assiste no Hospital para lhe pedir a emissão da baixa médica – e eu amanhã vou ao CS do Santo Condestável falar com a médica de família, Dra. Salomé, – dado que já marquei hora (12:00 horas) para esse efeito -, a fim de ela também emitir a baixa médica, constituindo assim duas justificações mais que justificáveis para a não comparência da minha filha às vossas convocatórias. Penso que não seja necessária uma terceira justificação.

Nesta conformidade, amanhã serão enviadas cópias dos documentos justificativos quer para o serviço de emprego das Picoas, entidade que enviou a carta, quer para o serviço de emprego de Benfica, entidade a que ela pertence.

Obrigado,

(fim do e-mail não enviado)

Ora, o e-mail não foi enviado porque tendo estado em contacto com a minha filha no hospital via telemóvel, pedi-lhe que “apanhasse” o médico a fim de lhe passar a baixa médica para apresentar no serviço de emprego supra citado. Recebi o feedback dela mais tarde, informando que tinha conseguido falar com o médico e que este a informou que passaria hoje a alta médica a fim de ela poder amanhã tratar dos seus assuntos pessoais (serviço de emprego do IEFP, IP + convocatória para sexta-feira na Rua das Pedralvas em Benfica, ou seja, duas convocatórias de rajada), o que significa que o médico também borrifou-se para o facto da minha filha ainda não ter tido tempo para estabilizar os seus valores tipo escada rolante, apenas lhe sendo aplicado o novo equipamento de medição glicémica via wireless e que manterá por mais quinze dias. Depois, terá de o devolver ao hospital dado que o aparelho é de “testes”.

Assim, ela sairá do hospital amanhã, dia 15 às 08:30 horas (se os enfermeiros fizerem atempadamente a colheita para as análises), senão sairá sem essas colheitas a fim de estar às 10:30 horas na Av. 5 de Outubro para a convocatória acima mencionada no e-mail.

Ou seja, primeiro a OBRIGATORIEDADE da sua presença no IEFP, IP para não PERDER O DIREITO AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO, em segundo lugar a merda da doença e da saúde.

A carta hoje recebida do IEFP, IP é bastante esclarecedora nestes termos de não comparência:

“A FALTA DE COMPARÊNCIA A ESTA CONVOCATÓRIA É UMA VIOLAÇÃO AO DEVER DE COMPARÊNCIA NOS LOCAIS E DATAS DETERMINADOS PELOS SERVIÇOS DO IEFP, IP, PREVISTA NA ALÍNEA g) do nº. 1 do artigo 41º. do Decreto-lei nº. 220/2006, de 3 de Novembro, NA ACTUAL REDACÇÃO (1) EXCEPTO SE FOR APRESENTADA NESTES SERVIÇOS UMA JUSTIFICAÇÃO DA FALTA NOS TERMOS CONSTANTES DO REGIME PREVISTO NO Código do Trabalho. A FALTA TEM QUE SER JUSTIFICADA NO PRAZO DE CINCO DIAS CONSECUTIVOS, A CONTAR DO DIA IMEDIATO À FALTA”.

Terminada esta novela, tipo mexicana de 5ª. categoria que ilustra bem o estado da Nação em que (infelizmente) tenho de (sobre)viver – e digo isto porque como atrás referi, os aldrabões, corruptos e vigaristas andam à solta, os cumpridores são incessantemente vigiados, sinto cada vez mais ÓDIO, sim, ÓDIO, por quem produz, legisla e aprova as leis deste País. Sem qualquer excepção.

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=ec3cdca0_1481743600846]

139: 06.Dez.2016

RECUSAR
Significado de Recusar

v.t.
1. Renegar, declinar, negar ou não aceitar;
2. Acção de não oferecer, não dar ou não disponibilizar;
3. Não assumir ou não admitir;
4. Impedir, evitar ou conter;

v.pron.
5. Não se disponibilizar para; negar-se;
6. Insurgir-se ou adversar-se;
7. Abster-se ou privar-se.
(Etm. do latim: recusāre)

In Dicionário de Português online

0-lutotransp200Esta palavra tem siso sistematicamente empregue por médicos e profissionais de saúde e/ou a ela associados, pelo que me permite deduzir ser uma espécie de “doutrina” a aplicar quando se pretende justificar algo.

Aconteceu durante a doença de minha esposa; está a acontecer a minha filha. Vejamos: O médico de endocrinologia que assiste a Vera há anos na especialidade, a meu pedido e dado os valores instáveis e quase diários de comas hipoglicémicos, informou que ia interná-la para saberem o porquê dessa instabilidade e tentarem corrigi-la ou estabilizá-la.

Na penúltima quinta-feira do mês passado, telefonaram a informar para se apresentar no hospital a fim de ser internada no dia seguinte. Dado que a Vera já tinha marcado há uns meses o jantar anual de colegas e ex-colegas da empresa onde trabalhou mais de 30 anos, informou que nesse dia não poderia ir, por esse motivo, mas que marcassem outro dia seguinte a esse.

Ora, esta situação não preconiza uma RECUSA a ser internada mas um adiamento que até poderia ser logo no dia seguinte. Não entendeu assim o médico dela que, a um e-mail que lhe enviei a informar que os valores hipoglicémicos da Vera continuavam a ser comatosos e que o hospital não deu mais uma resposta sobre o internamento, respondeu desta forma:

“… … Pois já a convidámos na semana passada p/ vir ser internada mas recusou”… …

Já tinha ouvido esta palavra – RECUSA -várias vezes quando solicitei o internamento de minha esposa por razões óbvias e informaram-me que a solução não passava pelo internamento hospitalar mas por cuidados continuados, paliativos, lares e outros que, dados os seus custos, encontravam-se fora do nosso orçamento familiar, por isso disse que não poderia suportar esses valores por insuficiência orçamental, pelo que me foi atribuída a palavra RECUSA a esses cuidados.

O facto é que afinal eu tinha razão em andar há 3 anos a solicitar o seu internamento, ainda numa fase preliminar do agravamento da doença, dado que não sendo médico, qualquer pessoa com um mínimo de neurónios funcionais no cérebro, percebe que a situação não passava pelo domicílio onde não existia conhecimentos nem meios, mas por um internamento hospitalar, que redundou na morte de minha esposa, não por motivo da demência de Alzheimer, mas numa urgência hospitalar, por insuficiência respiratória, provocada por CHOQUE SÉPTICO devido a não ter sido devidamente tratada embora a médica de família estivesse ao corrente da situação, inclusive, das duas vezes que veio ao domicílio vê-la, constatou o estado degradante em que se encontrava. Passemos às imagens chocantes da situação, já aqui publicadas no Blogue:

6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016
6 de Julho de 2016

Doze dias depois falecia por motivo destas úlceras, com exposição óssea, cheiro fétido, conforme consta da sua certidão de óbito, que levaram – a úlcera da região sagrada -, à sua morte por CHOQUE SÉPTICO.

Concluindo, não empreguem a palavra RECUSA para salvaguardar interesses que não são os dos doentes ou de quem infelizmente não possui verbas para cuidar dos seus familiares em CLÍNICAS PRIVADAS. E seria bom que os intervenientes da saúde em Portugal, se lembrassem, coisa que parece andar arredada desta gente, do que a Constituição da República Portuguesa decreta na PARTE I – Direitos e deveres fundamentais – TÍTULO III – Direitos e deveres económicos, sociais e culturais . CAPÍTULO III – Direitos e deveres sociais – Artigo 64.º – (Saúde).

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=f7679ba8_1481023994302]

132: 28.Nov.2016

06:00 horas da madrugada. Na rotineira vigilância nocturna a minha filha, dei com ela, mais uma vez, em coma hipoglicémico (32). Utilizei uma ampola de glucose a 30% (Labesfal), ampola esta que me foi deixada pela última intervenção do INEM à Vera.

Resultou dado que minutos depois começou a recuperar e evitou mais uma chamada para o INEM. E vou ter mesmo de comprar uma caixa destas ampolas (100) na farmácia, dado que a empresa que as distribui não vende directamente ao público.

Hoje, se o dia estiver sem chuva forte, iremos ao cemitério para mais uma visita à nossa querida Tina.

16:20 horas: chegámos agora a casa vindos do cemitério e das compras. Tínhamos encomendado à florista uma coroa pequenina com um buraco no centro por onde entrasse o copo das flores. A imagem mostra o conjunto. Ficou lindo.

28112016_0328112016_02As duas rosinhas que lá deixámos a semana passada, ainda estavam perfeitas. A chuva que caiu, cuidou delas…

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=81445213_1480321277926]

128: 21.Nov.2016

.

0-lutotransp20006:30 horas da manhã, tive de chamar o INEM dado que a Vera estava em coma hipoglicémico (valor = 30) e não conseguia recuperá-la.

Levaram 15 minutos a chegar e saíram 30 minutos depois, contudo, o enfermeiro também não estava operacional pois pediu para ir duas vezes à casa de banho e a assistência à minha filha foi quase toda feita pelo colega.

Penso que um profissional desta área deveria retirar-se até estar operacional.

Apesar de tudo, a Vera recuperou e foi deitar-se. E as preocupações não param…

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=8ef37d43_1488652903256]

95: 03.Out.2016

0-lutotransp200(actualização às 19:00 horas)

e-mails enviados hoje à CGA, CNP :

Para: ‘CGA Geral’ <cga@cgd.pt>

Boa tarde

Pretendo saber se o CNP já se dignou responder ao v/ e-mail e fax já que ainda não obtive qualquer tipo de resposta daquela instituição.

Tendo recebido hoje o meu cartão de pensionista (sobrevivência) com o nº. 000951812 01, pretendo saber, se possível, quando será paga as pensões de sobrevivência.

Obrigado,
========================

Para: _0CNP <cnp-pensoes@seg-social.pt>

Boa tarde

Sem qualquer resposta aos meus e-mails anteriores, apenas pergunto se V. Exas. conseguem (sobre)viver sem dinheiro. Gostaria de conhecer a fórmula.

Obrigado,

========================

Para: ‘apoio.msess@msess.gov.pt’

Boa tarde

Pretendo saber uma resposta ao meu e-mail infra.

Obrigado

=========================

Para: ‘iss-ip@seg-social.pt’

Boa tarde

Pretendo saber uma resposta ao meu e-mail infra.

Obrigado

=========================

Os e-mails infra, acima mencionados, referem-se às solicitações sobre o não pagamento das pensões de sobrevivência de Agosto e Setembro, ao subsídio de funeral e ao facto de o CNP não ter dado qualquer resposta quer aos meus e-mails, quer aos da CGA.

====================

Mais uma noite em branco, por “falta” de sono. E como se não bastasse, às 05:00 horas da madrugada tinha a minha filha em coma hipoglicémico – uma vez mais -, e sem dar cor dela.

Para não chamar novamente o INEM que da última vez a trataram muito rudemente o que a levou a fazer uma queixa no portal deles, dei-lhe uma injecção de GlucoGen o que arromba ainda mais o meu já depauperado orçamento familiar uma vez que cada injecção destas, sem qualquer tipo de comparticipação, custa quase 20 euros e eu não posso andar a comprar esta injecção todos os dias.

É o excelente serviço nacional de “saúde” que temos, é o Estado miserável que temos, é a merda de regime que temos! Quem não tem dinheiro ou quem está a sofrer o austericídio (que ainda continua) à espera que lhe paguem o que tem a receber de direito por parte do Estado Português, vai morrendo lentamente. O Hitler foi mais rápido a matar judeus.

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=e63d0f58_1488654278987]

91: 28.Set.2016

(Actualização às 23:30 horas)

Depois dos 5 elementos do INEM terem saído cá de casa, a Vera queixou-se que lhe doía o peito e sentiu que alguém estava aos socos no peito dela, assim como fazia pressão com os dedos na omoplata, levando todo o dia de hoje – que ainda se mantém – com as mesmas dores, nomeadamente quando dá algum geito ao corpo que pressione a zona afectada. Fica aqui uma imagem da ocorrência dado que ela apresentou queixa no Portal do INEM:

27092016

04:45 horas da madrugada, nova chamada para o INEM (estiveram cá anteontem) dado que fui encontrar a minha filha estendida no chão do quarto em coma hipoglicémico (31), a espumar da boca e com convulsões.

Difícil viver com esta carga em cima dos ombros!

Entretanto, nada de respostas das entidades a quem enviei e-mails e apenas faltam DOIS DIAS para o final do mês…

Nada mais tenho a dizer.

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=e4ea4a1f_1488654389965]

89: 26.Set.2016

0-lutotransp200Hoje estou de vela (serviço nocturno feito nos hospitais pelos profissionais de saúde). Acabaram de sair de minha casa os técnicos do INEM (02:40) dado que a Vera sendo o quarto dia consecutivo com valores de coma hipoglicémicos (30~35), embora “consciente”, entrou hoje num cenário que nunca tinha deparado dado que parecia estar completamente louca.

É difícil explicar por palavras a situação mas é terrível! Eles queriam levá-la para o hospital mas dado que recuperou, não quis ir e sob conselho do médico a quem telefonaram a relatar o ocorrido (por vezes o médico vem atrás da ambulância, outras vezes não), aconselharam-me a ficar em vigília e se o estado voltasse ao mesmo de antes que os chamasse de novo. Por isso o meu estado de “vela” (a Tina fez tantas no hospital onde trabalhava, das 22:00 às 08:00 horas da manhã… Aliás o horário dela eram duas manhãs (08:00 às 16:00), uma tarde (16:00 às 22:00) e uma vela 22:00 às 08:00 cada e um dia de folga semanais)!

É muito difícil para quem esteve quase dois anos numa guerra, sofre de stress pós-traumático, ter sido duplo cuidador (esposa e filha) nos últimos 5 anos, ter de continuar embora com um paciente a menos, mas com noites muito mal passadas só conseguindo descansar depois das 07:30 da manhã e com os problemas graves que estão acontecendo a nível financeiro, pelo não pagamento não só do subsídio de funeral, como das pensões de sobrevivência de Agosto e Setembro quer pelo Centro Nacional de Pensões, quer pela Caixa Geral de Aposentações que se encontra à espera de uma simples resposta da CNP, então o ramalhete fica completo!

São 03:30 da madrugada, vou passando a noite a colocar a escrita em dia aqui no Blogue, depois vou fazer uma torrada, beber um café até chegar a hora de acordar a Vera para ir para o emprego.

logo_transp_200

12.Ago.2017

12.Ago.2017

5 dias ago cuidador cuidador
As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma…
Read More
5 dias ago12.Ago.2017
05.Ago.2017

05.Ago.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de…
Read More
2 semanas ago05.Ago.2017
29.Jul.2017

29.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch…
Read More
3 semanas ago29.Jul.2017
26.Jul.2017

26.Jul.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min…
Read More
3 semanas ago26.Jul.2017
22.Jul.2017

22.Jul.2017

4 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram…
Read More
4 semanas ago22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=3c555d0d_1488654439871]