169: 05.Mar.2017

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados.

Tenho andado psicologicamente muito em baixo, não só resultado do sentir a ausência da Tina, da saudade, da falta de companhia de 52 anos consecutivos de vivência, exceptuando os quase dois anos que estive na guerra colonial, como também da ausência dos pseudo-familiares e dos pseudo-amigos que nem uma palavra de conforto recebo.

Cada vez que vou ao cemitério, saio de lá de rastos e ir neste estado em que me encontro, não seria nada benéfico. Talvez para o meio da semana e se o tempo também ajudar, vou tentar visitar a Tina e ver como estão as flores e a campa dado que choveu bastante nos últimos dias desta semana.

Onde ela se encontra, sabe que esta ausência não significa esquecimento ou abandono, mas sim o retemperar de forças. Falo apenas por mim.

Também ontem enviei novo e-mail à Ordem dos Médicos a saber se a minha queixa tinha sido arquivada ou o estado em que se encontra, porque desde JUNHO do ano passado, não obtive qualquer resposta.

12.Ago.2017
cuidador cuidador 5 dias ago

As flores naturais cada vez estão mais caras e os ramos mais pequenos o que nos levou a escolher uma… Read More

12.Ago.2017
05.Ago.2017
cuidador cuidador 2 semanas ago

Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Flores da semana passada algo murchas, sem uma gota de… Read More

05.Ago.2017
29.Jul.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Mais um dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de sábado passado estavam todas murch… Read More

29.Jul.2017
26.Jul.2017
cuidador cuidador 3 semanas ago

Dado que nunca referenciei datas ligadas ao consumismo desenfreado a que estamos sujeitos, foi a min… Read More

26.Jul.2017
22.Jul.2017
cuidador cuidador 4 semanas ago

Dia de visita à campa da nossa querida Tina. As flores de terça-feira estavam bastante murchas (eram… Read More

22.Jul.2017

[powr-hit-counter id=0a184055_1488727581634]