173: 25.Mar.2017

Hoje, foi dia de mais uma visita à campa da Tina. Estava com um certo receio por causa do tempo (ontem choveu forte), mas esteve um dia de Sol, embora com nuvens.

A maior parte das flores dos sábados anteriores têm-se mantido viçosas, outras foram para o lixo por estarem murchas e hoje levámos-lhe um ramo de cravinhas lindas. Ficam as imagens, trazemos a saudade, a dor e um profundo sentimento de perda.

18.Jul.2016 - 18.Dez.2017

18.Jul.2016 – 18.Dez.2017

21 horas ago cuidador cuidador
Há 17 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no…
Read More
21 horas ago18.Jul.2016 – 18.Dez.2017
17.Dez.2017

17.Dez.2017

1 dia ago cuidador cuidador
A senhoria do prédio onde residimos há cerca de 19 anos, é emigrante em França. Esteve cá durante un…
Read More
1 dia ago17.Dez.2017
16.Dez.2017

16.Dez.2017

2 dias ago cuidador cuidador
A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t…
Read More
2 dias ago16.Dez.2017
09.Dez.2017

09.Dez.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin…
Read More
1 semana ago09.Dez.2017
03.Dez.2017

03.Dez.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida…
Read More
2 semanas ago03.Dez.2017

[powr-hit-counter id=c47daae6_1490459056283]

18.Mar.2017 – 8 meses de eterna saudade

Faz hoje oito meses que partiste, deixando-nos com uma Saudade sem fim e uma dor incurável.

Logo, iremos fazer-te a habitual visita e onde quer que estejas, vejas que nunca te esqueceremos.

Descansa em Paz querida.

Viemos da nossa habitual visita semanal de sábado. Deixámos-te um raminho de flores lindo com as tuas flores preferidas (rosas). Ficaste muito bonita.

18.Jul.2016 - 18.Dez.2017

18.Jul.2016 – 18.Dez.2017

21 horas ago cuidador cuidador
Há 17 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no…
Read More
21 horas ago18.Jul.2016 – 18.Dez.2017
17.Dez.2017

17.Dez.2017

1 dia ago cuidador cuidador
A senhoria do prédio onde residimos há cerca de 19 anos, é emigrante em França. Esteve cá durante un…
Read More
1 dia ago17.Dez.2017
16.Dez.2017

16.Dez.2017

2 dias ago cuidador cuidador
A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t…
Read More
2 dias ago16.Dez.2017
09.Dez.2017

09.Dez.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin…
Read More
1 semana ago09.Dez.2017
03.Dez.2017

03.Dez.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida…
Read More
2 semanas ago03.Dez.2017

[powr-hit-counter id=764e9788_1489784600449]

Pulseiras “Estou Aqui Adultos!” a partir do dia 20 de Março

Programa é alargado a todo o país e permite, em caso de emergência, entrar em contacto com familiares ou cuidadores. Cada registo terá a validade de dois anos.

Foto Pixabay

O programa da PSP “Estou Aqui Adultos!” começa na próxima segunda-feira, dia 20 de Março. Após dois anos de fase experimental e limitada a utentes de algumas instituições, agora já pode pedir estas pulseiras que permitem uma mais rápida identificação de familiares, em caso de emergência.

“Este programa foi especialmente pensado para pessoas que, em função da idade ou de patologia, possam ficar desorientadas ou inconscientes na via pública, ainda que momentaneamente”, lê-se no comunicado da PSP.

Para obter uma pulseira é necessário fazer uma pré-inscrição na página do programa e levantá-la na esquadra seleccionada.

O programa prevê dois tipos de pedido, consoante seja o próprio utilizador a solicitar a pulseira (opção “Pedido pelo Próprio”) ou seja um cuidador ou uma instituição (opção “Pedido Instituição/Cuidador”).

Tal como nas pulseiras “Estou Aqui” para as crianças, as dos adultos também são gratuitas e não possuem qualquer dado de identificação do utilizador, de forma a salvaguardar a sua privacidade. São compostas por uma fita em tom neutro e por uma chapa metálica com um código alfanumérico, único para cada utilizador, que será descodificado pela PSP após uma chamada para o número de emergência (112).

As autoridades referem ainda que as pulseiras não disporem de GPS ou outro sistema de localização. As pulseiras também não são dispositivos de emergência para accionar socorro em caso de necessidade.

Cada registo terá a validade de dois anos, no fim do qual, que estiver interessado em continuar a usufruir do programa, deve efectuar novo registo.

“Qualquer pessoa que verifique outrem com sinais evidentes de desorientação e a necessitar de auxílio na via pública deverá ligar o número de emergência (112) e dar indicação do local onde se encontra podendo, caso verifique a existência da pulseira, indicar desde logo o código da mesma. Será, de imediato, accionado um carro patrulha para o local para garantir a segurança da pessoa e, em simultâneo, a Direcção Nacional da PSP entrará em contacto com os familiares, cuidadores ou amigos da pessoa encontrada para informar o paradeiro da mesma e, dessa forma, permitir um reencontro célere”, explica a nota da polícia.

Diário de Notícias
16 mar, 2017 – 10:33

Nota: Já temos as nossas pulseiras. Fomos levantá-las hoje, dia 25.03.2017 à esquadra da nossa área.

18.Jul.2016 - 18.Dez.2017

18.Jul.2016 – 18.Dez.2017

21 horas ago cuidador cuidador
Há 17 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no…
Read More
21 horas ago18.Jul.2016 – 18.Dez.2017
17.Dez.2017

17.Dez.2017

1 dia ago cuidador cuidador
A senhoria do prédio onde residimos há cerca de 19 anos, é emigrante em França. Esteve cá durante un…
Read More
1 dia ago17.Dez.2017
16.Dez.2017

16.Dez.2017

2 dias ago cuidador cuidador
A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t…
Read More
2 dias ago16.Dez.2017
09.Dez.2017

09.Dez.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin…
Read More
1 semana ago09.Dez.2017
03.Dez.2017

03.Dez.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida…
Read More
2 semanas ago03.Dez.2017

[powr-hit-counter id=118a0d9f_1489670789719]

170: 11.Mar.2016

Esta semana não falhou como a semana passada. As flores estavam quase todas em ordem, a Vera removeu as mais murchas e colocámos um novo raminho com verdura. Tirei as habituais imagens e um pequeno vídeo da Vera a arranjar as flores. E como habitualmente, da família nem rastos…

18.Jul.2016 - 18.Dez.2017

18.Jul.2016 – 18.Dez.2017

21 horas ago cuidador cuidador
Há 17 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no…
Read More
21 horas ago18.Jul.2016 – 18.Dez.2017
17.Dez.2017

17.Dez.2017

1 dia ago cuidador cuidador
A senhoria do prédio onde residimos há cerca de 19 anos, é emigrante em França. Esteve cá durante un…
Read More
1 dia ago17.Dez.2017
16.Dez.2017

16.Dez.2017

2 dias ago cuidador cuidador
A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t…
Read More
2 dias ago16.Dez.2017
09.Dez.2017

09.Dez.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin…
Read More
1 semana ago09.Dez.2017
03.Dez.2017

03.Dez.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida…
Read More
2 semanas ago03.Dez.2017

[powr-hit-counter id=052480e4_1489250009543]

169: 05.Mar.2017

Ontem e hoje não fomos visitar a Tina ao cemitério como fazemos habitualmente todos os Sábados.

Tenho andado psicologicamente muito em baixo, não só resultado do sentir a ausência da Tina, da saudade, da falta de companhia de 52 anos consecutivos de vivência, exceptuando os quase dois anos que estive na guerra colonial, como também da ausência dos pseudo-familiares e dos pseudo-amigos que nem uma palavra de conforto recebo.

Cada vez que vou ao cemitério, saio de lá de rastos e ir neste estado em que me encontro, não seria nada benéfico. Talvez para o meio da semana e se o tempo também ajudar, vou tentar visitar a Tina e ver como estão as flores e a campa dado que choveu bastante nos últimos dias desta semana.

Onde ela se encontra, sabe que esta ausência não significa esquecimento ou abandono, mas sim o retemperar de forças. Falo apenas por mim.

Também ontem enviei novo e-mail à Ordem dos Médicos a saber se a minha queixa tinha sido arquivada ou o estado em que se encontra, porque desde JUNHO do ano passado, não obtive qualquer resposta.

18.Jul.2016 - 18.Dez.2017
cuidador cuidador 21 horas ago

Há 17 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no… Read More

18.Jul.2016 – 18.Dez.2017
17.Dez.2017
cuidador cuidador 1 dia ago

A senhoria do prédio onde residimos há cerca de 19 anos, é emigrante em França. Esteve cá durante un… Read More

17.Dez.2017
16.Dez.2017
cuidador cuidador 2 dias ago

A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t… Read More

16.Dez.2017
09.Dez.2017
cuidador cuidador 1 semana ago

Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin… Read More

09.Dez.2017
03.Dez.2017
cuidador cuidador 2 semanas ago

Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida… Read More

03.Dez.2017

[powr-hit-counter id=0a184055_1488727581634]