130: 24.Nov.2016

A minha filha recebeu hoje uma carta da directora da Segurança Social, em que informava que o processo de subsídio de desemprego tinha sido deferido por um período de 1.140 dias (38 meses ± 3 anos e 2 meses), com início em 8 de Novembro, data em que o processo deu entrada no IEFP e não na data do desemprego (04.11.2016).

Mais informa que o valor agora calculado, será reduzido em 10% a partir do 181º. dia de subsídio.

Esclarece também que, em caso de não concordância com os termos da decisão, poderá recorrer hierarquicamente para o Presidente do Conselho Directivo do Instituto de Segurança Social no prazo de 3 meses ou impugnar contenciosamente no prazo de 3 meses.

Um colega dela, que se encontra na mesma situação de despedimento colectivo, foi à SS e informaram-no que o pagamento do subsídio de desemprego possivelmente se fará em Janeiro do próximo ano. Não sei se no princípio, se no meio, se no final do mês.

Nos entretantos, a pessoa debilitada psicologicamente pelo facto de com 50 anos já não ter qualquer esperança de conseguir outro emprego porque é muito “velha” para os empregadores nacionais, mas ainda muito “nova” para a reforma, tem de pagar a renda da casa, a água, a electricidade, o gás, a alimentação, os transportes (colectivos) assim como as despesas inesperadas que parecem cair todas nestas alturas de fraqueza financeira.

Segundo informação prestada por uma leitora deste blogue que deduzo encontrar-se dentro da matéria versada, tudo bateu certo com o que nos indicou. O problema encontra-se “nos entretantos” entre a data de deferimento do processo e a data de início de pagamento do subsídio. Porque se não for paga a água, cortam-na; se não for paga a electricidade, cortam-na, se não for pago o gás, cortam-no, se não for paga a renda da casa, pode existir motivo para o senhorio executar um despejo e no que toca à alimentação, vai-se remediando com umas sopas, umas sandes, isto se os fornecimentos atrás mencionados não forem cortados, porque pelos vistos, todo o mundo está-se borrifando para que as pessoas não tenham dinheiro para pagar os seus compromissos por terem ficado sem rendimentos de trabalho. E como reza o velho ditado, quem não tem dinheiro, não tem vícios…

Porque isto de ter casa, electricidade, água e gás, são vícios que não são para todos, além de que ter uma alimentação minimamente digna, também não é para todos, já não mencionando quando tiver de se deslocar, não o poder fazer porque o dinheiro não chega para o passe social.

Como dizia o outro, é a vida pá…!

logo_transp_200

16.Dez.2017

16.Dez.2017

12 horas ago cuidador cuidador
A nossa visita semanal à campa da nossa querida, num dia cheio de Sol. Hoje, levámos um raminho de t…
Read More
12 horas ago16.Dez.2017
09.Dez.2017

09.Dez.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Dia nublado mas sem chover. Fomos a mais uma visita à campa da nossa querida e hoje levámos um ramin…
Read More
1 semana ago09.Dez.2017
03.Dez.2017

03.Dez.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Ontem, sábado, não existiram condições para a nossa habitual visita semanal à campa da nossa querida…
Read More
2 semanas ago03.Dez.2017
Natal 2017

Natal 2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Embora este seja o segundo Natal que não celebramos, após o falecimento da Tina, ela tinha - como nó…
Read More
2 semanas agoNatal 2017
25.Nov.2017

25.Nov.2017

3 semanas ago cuidador cuidador
Dia enevoado mas felizmente não choveu. Mais uma visita semanal à campa da nossa querida e mais um p…
Read More
3 semanas ago25.Nov.2017

[powr-hit-counter id=e57e378f_1480006284467]

5 comentários em “130: 24.Nov.2016”

  1. Boa noite Sr. Francisco Gomes,

    A informação que prestaram ao colega da sua filha está errada. Se reparar, na SS, presencialmente, duas pessoas/funcionários dão versões diferentes. Eu já fiz o teste relativamente a outra questão. Quando o processo é deferido o pagamento ocorre no próprio mês ou no mês seguinte ( sempre dia 23 de cada mês por transferência bancária).

    Eu avisei logo para ir no dia a seguir ao termino do contrato. Se o processo foi deferido… possivelmente vai receber em Dezembro… O mês de Novembro+Dezembro, pois o processamento das prestações de desemprego é feito no dia 8/10 de cada mês.

    Aconselho a sua filha a pedir a password da segurança social directa para monitorizar os pagamentos ( através desta funcionalidade. http://www.seg-social.pt/noticias/-/asset_publisher/9N8j/content/nova-funcionalidade-na-seguranca-social-direta).

    Pode pedir pela internet e demora 8 dias a recebê-la em casa (https://app.seg-social.pt/sso/login?service=https%3A%2F%2Fapp.seg-social.pt%2Fptss%2Fcaslogin).

    Desejo-lhe boa sorte!

    Com os meus cumprimentos,

    Maria Ribeiro

    1. Boa noite D. Maria Ribeiro
      Uma vez mais agradecemos (eu e minha filha) a sua preciosa colaboração neste assunto. Não entregámos o processo logo no dia 4 porque ela já veio tarde da empresa e não dava para ir nesse dia ao IEFP, o dia 5 era sábado, 6 domingo e no dia 7 ela teve de tratar de uns assuntos relacionados com o despedimento e só fomos no dia seguinte. A minha observação teve a ver com a data da carta de despedimento e eles contam apenas a partir da data de entrega. Nós já temos os dados para a Segurança Social Directa, obrigado pela informação.
      Mais uma vez os nossos maiores agradecimentos pelas suas informações.

    2. Boa noite outra vez D. Maria Ribeiro
      Já fomos à SS Directa e na Agenda está disponibilizada a data do recebimento do subsídio para a próxima terça, dia 24, referente ao mês corrente. Mais uma vez muito obrigado pela ajuda pois desconhecia esse novo serviço da SS que, em ordem à CGA deixa muito a desejar já que na CGA até lançam os recibos mensais das pensões de reforma para controlo do pensionista.

  2. Desculpe:

    Relativamente em empregos, eu apostava na area dos Call Centers (Inbound) Egor, Adecco, Randstad.

    Estão sempre a recrutar e não ligam a idades.

    Atenção às covocatórias do IEFP. Deve cumprir todas as obrigações.

    Boa sorte!

    Maria Ribeiro

Deixe uma resposta