130: 24.Nov.2016

A minha filha recebeu hoje uma carta da directora da Segurança Social, em que informava que o processo de subsídio de desemprego tinha sido deferido por um período de 1.140 dias (38 meses ± 3 anos e 2 meses), com início em 8 de Novembro, data em que o processo deu entrada no IEFP e não na data do desemprego (04.11.2016).

Mais informa que o valor agora calculado, será reduzido em 10% a partir do 181º. dia de subsídio.

Esclarece também que, em caso de não concordância com os termos da decisão, poderá recorrer hierarquicamente para o Presidente do Conselho Directivo do Instituto de Segurança Social no prazo de 3 meses ou impugnar contenciosamente no prazo de 3 meses.

Um colega dela, que se encontra na mesma situação de despedimento colectivo, foi à SS e informaram-no que o pagamento do subsídio de desemprego possivelmente se fará em Janeiro do próximo ano. Não sei se no princípio, se no meio, se no final do mês.

Nos entretantos, a pessoa debilitada psicologicamente pelo facto de com 50 anos já não ter qualquer esperança de conseguir outro emprego porque é muito “velha” para os empregadores nacionais, mas ainda muito “nova” para a reforma, tem de pagar a renda da casa, a água, a electricidade, o gás, a alimentação, os transportes (colectivos) assim como as despesas inesperadas que parecem cair todas nestas alturas de fraqueza financeira.

Segundo informação prestada por uma leitora deste blogue que deduzo encontrar-se dentro da matéria versada, tudo bateu certo com o que nos indicou. O problema encontra-se “nos entretantos” entre a data de deferimento do processo e a data de início de pagamento do subsídio. Porque se não for paga a água, cortam-na; se não for paga a electricidade, cortam-na, se não for pago o gás, cortam-no, se não for paga a renda da casa, pode existir motivo para o senhorio executar um despejo e no que toca à alimentação, vai-se remediando com umas sopas, umas sandes, isto se os fornecimentos atrás mencionados não forem cortados, porque pelos vistos, todo o mundo está-se borrifando para que as pessoas não tenham dinheiro para pagar os seus compromissos por terem ficado sem rendimentos de trabalho. E como reza o velho ditado, quem não tem dinheiro, não tem vícios…

Porque isto de ter casa, electricidade, água e gás, são vícios que não são para todos, além de que ter uma alimentação minimamente digna, também não é para todos, já não mencionando quando tiver de se deslocar, não o poder fazer porque o dinheiro não chega para o passe social.

Como dizia o outro, é a vida pá…!

logo_transp_200

23.Jun.2018

23.Jun.2018

16 horas ago cuidador cuidador
Antes da publicação sobre a nossa visita de hoje à campa da nossa querida Tina, não posso deixar pas…
Read More
16 horas ago23.Jun.2018
18.Jul.2016 - 18.Jun.2018

18.Jul.2016 – 18.Jun.2018

6 dias ago cuidador cuidador
Há 23 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no…
Read More
6 dias ago18.Jul.2016 – 18.Jun.2018
12.Jun.1964 - 12.Jun.2018

12.Jun.1964 – 12.Jun.2018

2 semanas ago cuidador cuidador
Faz hoje 54 anos que começámos a namorar. Foi num Baile dos Santos Populares no Mercado de Algés ond…
Read More
2 semanas ago12.Jun.1964 – 12.Jun.2018
09.Jun.2018

09.Jun.2018

2 semanas ago cuidador cuidador
Mais um sábado que falhei a visita à campa da Tina. Não tenho andado lá muito "católico" e o tempo t…
Read More
2 semanas ago09.Jun.2018
02.Jun.2018

02.Jun.2018

3 semanas ago cuidador cuidador
Hoje, foi a Vera a única visita à campa da nossa querida Tina dado que não me encontrava em condiçõe…
Read More
3 semanas ago02.Jun.2018

[powr-hit-counter id=e57e378f_1480006284467]