123: 07.Nov.2016

0-lutotransp200Nem sei como começar este post porque por vezes não existem palavras para definir certo tipo de situações que inacreditavelmente vão acontecendo em série. Já diziam os meus avós que um mal nunca vem só e é uma realidade.

No passado dia 30 de Junho, ainda minha esposa era viva, enviei um e-mail à Ordem dos Médicos com o seguinte teor:

Enviada: 30 de junho de 2016 00:03
Para: ‘omcne@omcne.pt’

Boa tarde

Com este e-mail, pretendo saber de V. Exas. se uma doente com demência de Alzheimer, D.P.O.C. (entretanto controlada), anemia crónica, hipotiroidismo, arritmias cardíacas (mais ou menos controladas) e com úlceras espalhadas pelo corpo provenientes do seu estado de acamada, uma delas na anca com um a visão muito arrepiante conforme poderão constatar pelas imagens anexas, não tem o direito como ser humano de ser internada para tratamento (já que a recuperação é impossível) em vez da presença 3 vezes por semana de enfermeiras da USF Santo Condestável que lhe vêm limpar as feridas e mudar os pensos.

Se os hospitais não são indicados para este tipo de pacientes, para que servem eles? Tem sido uma luta constante desde há 3 anos a esta data com os médicos o pedido de internamento mas eles canalizam sempre para um Lar de Idosos. Lar de Idosos? Desconhecia que agora os Lares de Idosos, são hospitais onde estes pacientes são vigiados, tratados e medicados convenientemente e de acordo com as patologias apresentadas.

Nesta conformidade, agradeço o favor de um parecer de V. Exas. sobre se realmente é assim, ou seja, a doente ficar no domicílio em estado semi-vegetativo já que não fala, está paralisada dos membros inferiores, a mão direita quase que não mexe e a esquerda está a ir pelo mesmo caminho, toma os medicamentos esmagados e bebe-os por uma palhinha assim como os alimentos que estão reduzidos a sopas, gelatinas e néctares de fruta, causando perigosos desequilíbrios psicológicos nos cuidadores (marido e filha) que a acompanham 24 horas por dia (marido) e horário pós-laboral (filha, que é diabética insulina-dependente e cujos episódios de coma hipoglicémico estão a ser quase diários).

Com os melhores cumprimentos e agradecendo a atenção dispensada,

=============================

Até hoje não recebi qualquer resposta. No dia 1 de Julho, enviei este e-mail à Ordem dos Médicos:

Enviada: 1 de julho de 2016 10:00 a
Para: omcne@omcne.pt

Bom dia

Em adenda ao meu e-mail anterior, junto envio mais imagens do estado degradado em que se encontra minha esposa, sem que sejam tomadas quaisquer providências a não ser o tratamento 3 vezes por semana no domicílio pela enfermagem da USF Santo Condestável às úlceras.

Obrigado

===============================

Em 17 de Agosto enviei outro e-mail à Ordem dos Médicos com o seguinte teor, também sem resposta:

Enviada: 17 de agosto de 2016 18:25 p
Para: omcne@omcne.pt

Boa tarde

A paciente a que se referem os e-mails infra, faleceu no passado dia 18 de Julho de 2016, pelas 00:30, no hospital de S. Francisco Xavier para onde foi levada numa ambulância do INEM.

A causa da morte, segundo o Certificado de Óbito emitido pelo hospital foi de choque séptico, úlcera de pressão região sagrada com exposição óssea.

Não preciso explicar a V. Exas. o que é choque séptico até porque não sou médico nem tenho qualquer formação na área da saúde, contudo e como pesquisador temático na Internet, li tudo o que tinha a ler sobre choques sépticos e respectivas origens e causas.

O que me leva a concluir que, embora a médica de família do Centro de Saúde tivesse conhecimento da situação porque assistiu, em pessoa, a dois dos últimos tratamentos efectuados pelas enfermeiras desse CS e referenciou as úlceras instaladas, uma delas com infecção devido às fezes expelidas, não tomou as precauções devidas a esta situação porque não é no domicílio e apenas TRÊS VEZES POR SEMANA, que este tipo de infecções – que causaram o choque séptico -, são tratadas.

Não sei que adjectivo deveria atribuir a esta situação, apenas sei que minha esposa faleceu e V. Exas. nem sequer se dignaram dar uma resposta aos meus e-mails infra, de 30 de Junho e 01 de Julho de 2016.

Obrigado,

=============================

Não é que eventuais respostas a estes e-mails pudessem devolver a vida a minha esposa mas caramba, não somos dignos de uma resposta por parte da Excelentíssima Ordem dos Médicos de Portugal?

logo_transp_200

23.Set.2017

23.Set.2017

3 dias ago cuidador cuidador
Nova visita à campa da nossa querida Tina. Catorze meses depois de ter baixado à terra para a sua úl…
Read More
3 dias ago23.Set.2017
19.Set.2017

19.Set.2017

7 dias ago cuidador cuidador
Ontem fez 14 meses que nos deixaste para sempre; hoje, faz 14 meses que desceste à tua última morada…
Read More
7 dias ago19.Set.2017
18.Set.2017

18.Set.2017

1 semana ago cuidador cuidador
A nossa Eterna Saudade e o nosso pensamento estão sempre em ti minha querida. Partiste há 14 mese…
Read More
1 semana ago18.Set.2017
16.Set.2017

16.Set.2017

1 semana ago cuidador cuidador
Hoje, como habitualmente todos os sábados eu e a Vera não vamos visitar a nossa querida à sua última…
Read More
1 semana ago16.Set.2017
09.Set.2017

09.Set.2017

2 semanas ago cuidador cuidador
Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Hoje, ficaram dois conjuntos com três flores cada a jun…
Read More
2 semanas ago09.Set.2017

[powr-hit-counter id=6eb30874_1488653059404]

Deixe uma resposta