57: 17.Ago.2016

0-lutotransp20030 dias passaram desde a tua partida e é como tivesse sido hoje minha querida. A dor teima em não sair cá de dentro e penso que nunca mais sairá.

52 anos a aturar-nos um ao outro, nos bons e maus momentos, nas crises e nas alegrias, são muitos anos que nunca passarão em branco! Onde quer que estejas, um beijão muito grande e espero que descanses em Paz.

Deixo aqui um vídeo (a imagem vale por mil palavras) para o Joaquim Ribeiro e todos aqueles que se encontram no topo da Petição Pública, bem como todos os que já assinaram.

Entretanto, enviei hoje um e-mail à Ordem dos Médicos com o seguinte conteúdo:

 

Data: qua 17/08/2016 18:25
Para: omcne@omcne.pt

Boa tarde

A paciente a que se referem os e-mails infra, faleceu no passado dia 18 de Julho de 2016, pelas 00:30, no hospital de S. Francisco Xavier para onde foi levada numa ambulância do INEM.

A causa da morte, segundo o Certificado de Óbito emitido pelo hospital foi de choque séptico, úlcera de pressão região sagrada com exposição óssea.

Não preciso explicar a V. Exas. o que é choque séptico até porque não sou médico nem tenho qualquer formação na área da saúde, contudo e como pesquisador temático na Internet, li tudo o que tinha a ler sobre choques sépticos e respectivas origens e causas.

O que me leva a concluir que, embora a médica de família do Centro de Saúde tivesse conhecimento da situação porque assistiu, em pessoa, a dois dos últimos tratamentos efectuados pelas enfermeiras desse CS e referenciou as úlceras instaladas, uma delas com infecção devido às fezes expelidas, não tomou as precauções devidas a esta situação porque não é no domicílio e apenas TRÊS VEZES POR SEMANA, que este tipo de infecções – que causaram o choque séptico -, são tratadas.

Não sei que adjectivo deveria atribuir a esta situação, apenas sei que minha esposa faleceu e V. Exas. nem sequer se dignaram dar uma resposta aos meus e-mails infra, de 30 de Junho e 01 de Julho de 2016.

Obrigado,

0-assinatura

(E-mails referenciados acima):

01.- De: F Gomes
Enviada: 1 de Julho de 2016 10:00 a
Para: omcne@omcne.pt
Assunto: FW: Envio de formulário

Bom dia

Em adenda ao meu e-mail anterior, junto envio mais imagens do estado degradado em que se encontra minha esposa, sem que sejam tomadas quaisquer providências a não ser o tratamento 3 vezes por semana no domicílio pela enfermagem da USF Santo Condestável às úlceras.

Obrigado

02.- De: F Gomes
Enviada: 30 de Junho de 2016 00:03 a
Para: ‘omcne@omcne.pt’
Assunto: Envio de formulário

Boa tarde

Com este e-mail, pretendo saber de V. Exas. se uma doente com demência de Alzheimer, D.P.O.C. (entretanto controlada), anemia crónica, hipotiroidismo, arritmias cardíacas (mais ou menos controladas) e com úlceras espalhadas pelo corpo provenientes do seu estado de acamada, uma delas na anca com um a visão muito arrepiante conforme poderão constatar pelas imagens anexas, não tem o direito como ser humano de ser internada para tratamento (já que a recuperação é impossível) em vez da presença 3 vezes por semana de enfermeiras da USF Santo Condestável que lhe vêm limpar as feridas e mudar os pensos.

Se os hospitais não são indicados para este tipo de pacientes, para que servem eles? Tem sido uma luta constante desde há 3 anos a esta data com os médicos o pedido de internamento mas eles canalizam sempre para um Lar de Idosos. Lar de Idosos? Desconhecia que agora os Lares de Idosos, são hospitais onde estes pacientes são vigiados, tratados e medicados convenientemente e de acordo com as patologias apresentadas.

Nesta conformidade, agradeço o favor de um parecer de V. Exas. sobre se realmente é assim, ou seja, a doente ficar no domicílio em estado semi-vegetativo já que não fala, está paralisada dos membros inferiores, a mão direita quase que não mexe e a esquerda está a ir pelo mesmo caminho, toma os medicamentos esmagados e bebe-os por uma palhinha assim como os alimentos que estão reduzidos a sopas, gelatinas e néctares de fruta, causando perigosos desequilíbrios psicológicos nos cuidadores (marido e filha) que a acompanham 24 horas por dia (marido) e horário pós-laboral (filha, que é diabética insulino-dependente e cujos episódios de coma hipoglicémico estão a ser quase diários).

Com os melhores cumprimentos e agradecendo a atenção dispensada,

0-assinatura

18.Jul.2016 - 18.Jun.2018
cuidador cuidador 2 dias ago

Há 23 meses que partiste e ainda parece que foi ontem... Não te esquecemos minha querida, vives no… Read More

18.Jul.2016 – 18.Jun.2018
12.Jun.1964 - 12.Jun.2018
cuidador cuidador 7 dias ago

Faz hoje 54 anos que começámos a namorar. Foi num Baile dos Santos Populares no Mercado de Algés ond… Read More

12.Jun.1964 – 12.Jun.2018
09.Jun.2018
cuidador cuidador 1 semana ago

Mais um sábado que falhei a visita à campa da Tina. Não tenho andado lá muito "católico" e o tempo t… Read More

09.Jun.2018
02.Jun.2018
cuidador cuidador 2 semanas ago

Hoje, foi a Vera a única visita à campa da nossa querida Tina dado que não me encontrava em condiçõe… Read More

02.Jun.2018
26.Mai.2018
cuidador cuidador 3 semanas ago

Dia de visita à campa da nossa querida Tina. Mais um raminho de flores compradas pela Vera para junt… Read More

26.Mai.2018

[powr-hit-counter id=309256ca_1488655617552]